“Picadeiro Livre" do Circovolante tem diversão e cultura para público de todas as idades

Julho 22, 2019

Foto: Sabrina Mikaelle

Texto: Carolina Carvalho

A sede do Circovolante, no distrito de Passagem de Mariana, recebeu, na tarde de 20 de julho, artistas da comunidade em um evento que faz parte da programação oficial do Festival de Inverno de Ouro Preto, Mariana e João Monlevade. O “Picadeiro Livre” contou com várias atividades, como a visitação guiada à casa do Circovolante, onde o público pôde conhecer um pouco sobre os bastidores do evento, uma exposição fotográfica, shows com cantores locais, barraquinhas de comida e bebida, além do tão esperado espetáculo com os palhaços Xinxin e Juaneto, o palhaço Vinagre e a palhaça Bibite.

O grupo permitiu que as pessoas da própria comunidade montassem suas barraquinhas para venda de comida e bebida no espaço durante a festa. Núria da Conceição Anacleto, que é faxineira e trabalha no Circovolante há 4 anos, estava vendendo caldos durante o evento. Ela conta que conheceu o Festival de Inverno, e também outros eventos da região, por meio do trabalho com Xisto e João. “É ótimo, olha só: eles levam cultura para o lugar! Aqui estava tão escasso dessas coisas e aí, quando tem, a população abraça mesmo a oportunidade”, explica.

Assim como Núria, outros moradores da cidade também tomam conhecimento de manifestações culturais, por meio da mediação feita pela equipe do Circovolante. É o caso de Odete Mendonça Fontes, de 70 anos, e Izildinha Ferreira, de 64 anos, que foram ao evento acompanhadas de Maíra Fontes, de 42, que já esteve presente em vários outros espetáculos do grupo e que diz achar importante que haja esse tipo de movimentação na cidade para que crianças e pessoas mais velhas possam se divertir com segurança, mesmo fora de casa.

Sandra Guimarães, que trabalha como design gráfico e é mãe de duas crianças, disse acompanhar de perto toda a programação infantil ofertada pelo Festival. Ela conta, ainda, que vai a todas as apresentações possíveis do Circovolante. “Traz entretenimento para as crianças e, também, para toda a família. É um ambiente que é legal para reunir pessoas de todas as idades”, conclui. Maria Clara Moreira, de 10 anos, Lívia Vitória Gomes, de 11, e Clarissa Fernandes, também de 10 anos, estavam presentes no Picadeiro Livre, junto de outros amigos e amigas moradores de Passagem de Mariana, elas contam que já conheciam a sede e estavam ansiosas para o início das apresentações. “Eu já fiz até piquenique aqui”, comenta Lívia ao falar sobre a relação que tem com o local.

Raed Hilário D’angelo, que dá vida ao palhaço Vinagre desde os 9 anos de idade, se apresentou pela primeira vez no Festival de Inverno de Ouro Preto, Mariana e João Monlevade. O palhaço, que tem apenas 15 anos, fez uma apresentação bem humorada, que arrancou gargalhadas da plateia. “Cada público é de um jeito. Tento deixar todo mundo animado, dando o meu máximo”, explica. Seu show, que é voltado para pessoas de todas as faixas etárias, possui números musicais e de mágica, além de muita interação com o público. Para tornar tudo ainda mais engraçado, Vinagre também faz algumas brincadeiras com os adultos presentes. Ao final das apresentações da tarde, e em parte da noite, a banda Clavestrovas & Rock’n’Roll, que toca canções que misturam rock e ciranda, interpretadas pelos próprios palhaços, foi responsável por fechar o evento.

O Circovolante - Criado no ano de 2000, pelos palhaços e produtores culturais Xisto Siman e João Pinheiro, o Circovolante tem o objetivo de difundir as artes circenses, práticas que os dois idealizadores já possuíam desde que faziam parte do antigo Grupo Stronzo, e de levar, por meio de espetáculos teatrais e oficinas, entretenimento e bom humor para vários lugares do País. Juntos há 28 anos, Xisto e João são, também, a dupla de palhaços, Xinxin e Juaneto, que encanta pessoas das mais diferentes faixas etárias. “A arte é o lugar de encontro entre pessoas tão diferentes, com vivências tão distintas, e ter um evento como este é muito importante para promover o respeito às diferenças e fortalecer os laços entre universidade e comunidade”, expõe Xisto.

A atual sede, onde o Circovolante está localizado desde o ano de 2014, é conhecida como Casa do Palhaço. O espaço é dedicado à criação, montagem e apresentação de espetáculos circenses, além de possuir um acervo completo sobre o grupo. Durante o “Picadeiro Livre”, a Casa do Palhaço estava aberta para visitação do público, que podia passar pela exposição fotográfica de eventos promovidos pelo grupo e, também, conhecer o depósito de figurinos e adereços dos palhaços. Xisto conta que, apesar de o Circovolante já ter feito parte da programação de outras edições do Festival, é a primeira vez que existe uma abertura para que o evento aconteça na própria sede, em Passagem de Mariana. “É importante a reaproximação do Festival de Inverno com as pessoas que moram aqui em Passagem. Foi algo sincero, verdadeiro, que fez com que a gente tivesse vontade de estar dentro do evento”, completa.

João Pinheiro expõe a felicidade do grupo em receber o convite da equipe do Festival de Inverno. “Não há maneira melhor do Festival se legitimar na região do que reconhecendo as manifestações que nós temos aqui, e o Circovolante é apenas uma delas”, enfatiza. Para os dois coordenadores, o local deve ser um espaço democrático, onde todos da comunidade possam ter voz. “É um momento em que o falso moralismo está imperando no País. Com afeto e com cuidado, a gente leva um outro olhar, para demonstrar a importância que a arte tem para o mundo”, conclui Xisto.