Geraldo Pessoa e Banda cantam sobre amor em estilos musicais diferentes

Julho 10, 2019

Foto: Patrick de Araújo

Texto: Daniel Almeida

Combustível para os apaixonados e aconchego para os solteiro. As canções de Geraldo Pessoa acalentaram os corações de turistas e ouro-pretanos na noite fria dessa terça-feira, 9 de julho, na Casa da Ópera, em Ouro Preto. À meia-luz, o show "Música de Vidro: Geraldo Pessoal e Banda" teve as características de relacionamento almejadas pela maior parte dos casais: intimidade, carinho e reciprocidade. 

Acompanhado do seu violão e dos amigos de longa data, Daniel Breta, 41, e Adison Santana, 60, ambos na percussão, e Paulo Cota, 59, no clarinete, Geraldo Pessoa cantou "Amazônia", "Canto da Sereia" e "Helena", músicas autorais presentes em seus álbuns de samba, choro, bolero, entre outros. Experientes, os músicos afinavam os instrumentos de cordas a cada música que tocavam. O som das escalas e dos aplausos não dissiparam o ruído dos flashes disparados pelos celulares da plateia que tentava eternizar o momento.

Há 40 anos na carreira musical, Geraldo Pessoa, 59, diz se reinventar pelos detalhes. "Quando você se atenta, é possível ver relação em tudo. Falei relação porque é mais fácil de associar com amor, assunto que mais abordo em minhas letras. Ele [o amor] é a droga mais cruel que existe, porém, a mais prazerosa, rende canções boas", destacou. Quanto ao show, Geraldo esclarece que o "música de Vidro" é sobre a transparência do artista. Descalço e com óculos de grau para auxiliar a leitura das partituras, durante o momento instrumental do show, o artista declarou seu carinho pelo restaurador ouro-pretano Jair Inácio com a canção “Um Chorinho para Jair Inácio”. A homenagem é a transição do início para o encerramento do show de 1h20min.

O ritmo agitado e a letra melosa do “Bolero de Um Acorde Perfeito” proporcionaram cena de troca de carícias entre os casais presentes. O recepcionista de hotel João Vitor Santos, 27, emotivo, ressaltou o poder das músicas de Geraldo em despertar memórias que fazem valorizar o presente. "No Festival de Inverno do ano passado, 2018, eu estava sozinho, esperando ele chegar [o namorado]. Foi maravilhoso ouvi-lo cantar ‘ano que vem a gente vai tá junto’, pois hoje estou do lado dele", comemorou João Vitor abraçado ao gestor de eventos Adilson Rodrigues, 34. 

A professora de língua portuguesa Jéssica Alves, 27, veio de Brasília prestigiar o Festival de Inverno. Sozinha, a docente afirmou que assistir a artistas locais em palco renomados como o do evento aquece a alma. “Eu sempre desejei conhecer a cidade e a cultura de Ouro Preto. Hoje, tenho a oportunidade de vivenciar os dois, consequência dessa proposta maravilhosa do Festival de trazer o foco para a comunidade”, comentou Jéssica.    

O show "Música de Vidro: Geraldo Pessoa e Banda" faz parte da programação do Festival de Inverno Ouro Preto, Mariana e João Monlevade. Acesse a lista completa de eventos aqui